SIC desmantela rede nas FAA que lesou mais de um bilhão de kwanzas ao Estado

SIC desmantela rede nas FAA que lesou mais de um bilhão de kwanzas ao Estado

Notícias de Angola – SIC desmantela rede nas FAA que lesou mais de um bilhão de kwanzas ao Estado

O Informativo Angolano soube que, o Serviço de Investigação Criminal (SIC) deteve dois militares e um técnico de informática por alegada prática de crimes de associação criminosa, recebimento indevido de vantagens, peculato e fraudes na obtenção de verbas provenientes de salários de funcionários “fantasma” nas Forças Armadas Angolanas.

Os detidos receberam, segundo a acusação, indevidamente do Estado, durante seis anos, desde 2013, mais de um bilhão e 368 milhões de kwanzas, disse esta quinta-feira, 8, o porta-voz do SIC-Luanda, superintendente Fernando de Carvalho.

Estão igualmente detidos quatro elementos sem nenhuma ocupação e um motorista, sendo que dois militares com a patente de primeiro e segundo sargentos do exército, colocados na Direcção Principal de Pessoal e Quadros das FAA, encontram-se foragidos das autoridades.

“Fizeram o recrutamento de 19 cidadãos não enquadrados na função pública e posteriormente procederam à abertura de contas bancarias no Banco de Poupança e Crédito”, disse, acrescentando que os referidos números das contas bancárias foram da Direcção Principal de Pessoal e Quadros das FAA para o Ministério das Finanças para o depósito mensal nas contas dos elementos acima citados.

“O Ministério das Finanças gastava anualmente com estes elementos, cuja denominação é funcionários fantasmas, 228 milhões de Kwanzas. Os homens recrutados procediam ao levantamento dos valores, todos finais de cada mês, e depois repartiam com os elementos das FAA”, explicou.

No âmbito do inquérito titulado pelo Departamento de Operações do SIC-Luanda, o oficial salientou, no entanto, que foram encontradas em posse dos suspeitos material diverso, incluindo varias viaturas.

“Encontramos ainda duas pastas com vários documentos e processos individuais, 27 cartões multicaixa, sendo 19 da rede BPC, cinco BFA, dos quais três cartões visa, um da rede BAI, um do banco Millennium Atlântico e um do banco Sol, bem como a quantia de 250 mil Kwanzas”, descreveu.

Os agora detidos estão indiciados por crimes de associação criminosa, recebimento indevido de vantagens, peculato e fraudes na obtenção de subsídios. Os detidos têm idades entre 23 e os 32 anos e foram presentes ao magistrado do Ministério Público (MP) junto do SIC-Luanda e foi-lhes aplicada a medidas de coacção de prisão preventiva.
Ex-militares preparam protesto junto à Cidade Alta

Outrossim, depois de na semana passada terem bloqueado o trânsito na Avenida Deolinda Rodrigues, junto à unidade militar do Grafanil, o grupo de ex-militares das Forças Armadas Angolanas que exige o ingresso na Polícia Nacional prepara-se para voltar a sair às ruas, desta vez para chegarem até à Cidade Alta, para pedir explicações ao Comandante-em-Chefe sobre o processo de enquadramento que não se efectiva há já sete meses.

A qualquer momento, voltaremos a sair às ruas para ir ao Palácio Presidencial pedir explicações ao nosso Comandante-em-Chefe. Queremos saber o que se passa, porque é que estamos este tempo todo sem colocação, sabendo que temos famílias para sustentar”, informou um dos representantes do grupo, que não se quis identificar.

A fonte avançou que faz parte da lista de um grupo restrito que já passou pelos testes de admissão à Polícia Nacional, não sabendo até ao momento quando o enquadramento vai definitivamente efectivar-se.

C/ NJ

Read Previous

Estrelas ao Palco: Cantora Anna Joyce acusada de tribalismo

Read Next

Recuo na construção do Bairro dos Ministérios mostra “fragilidades” do governo

%d bloggers like this: