Com preços da TAAG a voar alto, passageiros viram-se para aviões militares e autocarros

TAAG Covid-19

Notícias de Angola – Com preços da TAAG a voar alto, passageiros viram-se para aviões militares e autocarros

As viagens para as províncias das Lundas, Norte e Sul, são as que mais doem no bolso do passageiro. Se a opção for viajar em voos comerciais regulares da TAAG, só de ida a viagem pode chegar a custar 139 mil Kz, mais do que o triplo das viagens “clandestinas” a partir do Terminal Aéreo Militar das Forças Armadas Angolanas, que custam, para os dois destinos, 40 mil Kz. A viagem em aparelhos militares acaba por servir de alternativa aos preços altos da TAAG, nos casos em que os bilhetes em classe económica são adquiridos dias antes da partida. Com um mês de marcação, o preço desce.

Apesar da prática de viajar ilegalmente nos voos militares ter diminuído, nos últimos cinco anos, ainda assim, em viagem de emergência ou no fim-de-semana, altura em que os preços são mais altos, os clientes são empurrados para as viagens clan[1]destinas dos voos militares, que são ilegais para civis. A possibilidade de viajar nos aviões militares continuam a fazer com que pessoas com ligações a funcionários do terminal aéreo militar viajam às escondidas com alguma facilidade, apurou o Expansão junto de fonte no terminal.

Na prática, esta é uma alterativa para chegar às províncias mais distantes, evitando elevados custos, além de que permitem reduzir as horas e o cansaço das viagens por estrada, diz um passageiro ao Expansão. “Não tenho condições para pagar mais de 60 mil Kz por uma viagem, deste modo tento quase sempre os voos militares para evitar mais de mil Km de estrada e custa muito menos”, explica.

Edgar Jota, nome fictício, explica que tem viajado nos voos militares, porque costuma sair de Luanda sem datas programadas com antecedência e não é fácil suportar os custos dos bilhetes da TAAG, além do facto de a companhia de bandeira não ter escalas diárias para todos os destinos internos. De acordo com o jovem, os funcionários pedem que se viaje sem bagagens para facilitar. Os passageiros são colocados dentro da aeronave como familiares ou prestadores de serviços militares.

Outra fonte do Expansão junto do terminal aéreo garante que, no caso de civis, só viajam nos voos militares pessoas que vão prestar determinado serviço a bases militares. Dos 12 destinos com ligações pela TAAG, a partir de Luanda, apenas três províncias, nomeadamente Cuando Cubango, Bié, Namibe, têm custos maus baixos do que os voos militares. Todas as outras custam mais do que o dobro, nos casos em que os bilhetes são comprados uma semana antes da viagem, de acordo com uma pesquisa feita pelo Expansão na semana de 20 a 24 de Junho.

C/ Expansão

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

%d bloggers like this: