BPC admite dispensar funcionários

Notícias de Angola – BPC admite dispensar funcionários

O Informativo Angolano soube que, o novo presidente do conselho de administração do Banco de Poupança e Crédito (BPC) angolano, António André Lopes, admitiu hoje a possibilidade de “dispensar alguns funcionários”, no quadro do “ajustamento necessário da sua estrutura” dos recursos humanos.

André Lopes é o novo PCA do BPC
André Lopes – BPC admite dispensar funcionários

“Estamos convencidos de que na sequência dos apoios que vamos obter dos acionistas vai ser necessário fazer o ajustamento da estrutura dos recursos humanos e esse ajuste pode passar, naturalmente, por dispensar alguns trabalhadores”, disse hoje aos jornalistas.

Para o novo presidente do maior banco de capitais públicos angolanos, “é natural que o processo aconteça”, mas isso, observou, “vai ser feito com algum cuidado, há práticas no mercado que permitem, naturalmente, lidar com esse tema de forma adequada”.

“Acreditamos que existem trabalhadores em idade da reforma e há aqui um conjunto de mecanismos que iremos implementar no sentido de suavizar os efeitos dessa medida que tem é necessária”, adiantou.

Falando hoje, em Luanda, no final de uma cerimónia em que foi empossado ao cargo, António André Lopes, quarto presidente da administração do BPC em menos de quatro anos, assumiu que terá pela frente “enormes desafios”.

Segundo o responsável, nomeado esta semana em substituição de Alcides Horácio Safeca, a “melhoria da imagem da instituição” e do “desadequado sistema de controlo interno e informático” são alguns dos desafios da sua gestão.

“O banco, segundo informações que temos, possui um sistema informático bastante desadequado à estrutura e à dimensão da instituição, um sistema muito aberto, permissível e que tem, por isso, muitas fragilidades”, realçou.

António André Lopes referiu que está já em curso um programa de modernização dos sistemas informáticos do BPC, “que infelizmente não devem entrar em funcionamento tão rapidamente”.

E por isso, frisou, enquanto essa situação não acontece, é preciso “implementar algumas medidas para mitigar o risco que hoje existe decorrente das fragilidades dos sistemas de informação”.

O ministro das Finanças angolano, Archer Mangueira, empossou hoje os novos órgãos sociais do BPC, sublinhando que a capacidade do Estado para socorrer o BPC “atingiu o seu limite”, pedindo “elevado sentido de rigor e exigência” à nova gestão.

Como administradores executivos, foram nomeados Vitor Cardoso, Marília de Fátima Vinha Peças, Cláudio Pinheiro Macedo e Emanuel Inocêncio Leopoldo também hoje empossados. Ismael Gaspar Martins é o novo presidente da mesa da assembleia-geral do BPC.

Conteúdo Relacionado:

João Lourenço exonera PCA do BPC

André Lopes é o novo PCA do BPC

Em 2017, o BPC registou um buraco de 5.200 milhões de dólares (4,58 mil milhões de euros) de ativos com baixo desempenho e em incumprimento, essencialmente crédito malparado, o segundo pior registo da história da banca em Angola.

Para António André Lopes, será necessário atuar no lado da “receita e da despesa” no sentido de tornar a maior unidade bancária comercial de Angola “mais eficiente”.

Questionado sobre se o BPC vai retomar o processo de concessão de créditos, o responsável explicou que o banco, agora sob sua gestão, vai conceder “apenas créditos de qualidade”, ou seja, “devidamente suportados por garantias com capacidade de reembolso dos mutuários”.

O Estado angolano é acionista do BPC, através do Ministério das Finanças (75%), do Instituto Nacional de Segurança Social (15%) e da Caixa de Segurança Social das Forças Armadas Angolanas (10%).

%d bloggers like this: