Sexta-feira, setembro 18, 2020

Angola aguarda certificação científica da Covid-Organics para possível adesão

Notícias de Angola – Angola aguarda certificação científica da Covid-Organics para possível adesão

O ministro de Estado e responsável da comissão de combate à covid-19 em Angola disse hoje que o país está atento à discussão sobre o Covid-Organics, medicamento apresentado pelo Madagáscar como eficaz contra esta pandemia, mas recomendou”cautelas”.

Pedro Sebastião, também chefe da Casa de Segurança do Presidente da República angolano, falava à imprensa, na Assembleia Nacional, depois da aprovação, por unanimidade, da extensão do estado de emergência, pela terceira vez, por mais 15 dias, entre 11 e 25 deste mês, desde a primeira declaração de 27 de março passado.

“A nossa atuação tem muito a ver com aquilo que a OMS [Organização Mundial de Saúde] orienta. Trabalhamos muito com o sistema das Nações Unidas, estamos a assistir à discussão que anda à volta deste Covid-orgânics, disse.

Segundo Pedro Sebastião, a seu tempo o Ministério da Saúde vai pronunciar-se, “porque é ainda um número de países bastante reduzido que aderiu”.

“Devemos ter algumas cautelas, vamos devagar”, referiu o também coordenador da Comissão Multissetorial de Prevenção e Combate à Covid-19.

Pedro Sebastião adiantou que se, “eventualmente, se provar por A+B que é benéfico, Angola vai abraçar necessariamente o ponto de vista dos outros países”.

“Por enquanto, estamos, tal como a grande maioria dos países, a assistir à discussão e à espera do comunicado, numa perspetiva mais científica relativamente a isso”, realçou.

Para quem queira, de forma individual, utilizar o medicamento, as autoridades não se opõem, disse Pedro Sebastião, lembrando que mesmo em Angola há “uma série de produtos que são utilizados para a cura desta ou daquela doença”.

O Presidente de Madagáscar, Andry Rajoelina, anunciou, em 22 de abril, a criação do ‘Covid-Organics’, uma bebida natural à base de artemísia desenvolvida pelo Instituto de Investigação Aplicada do país, para prevenir e curar a covid-19.

Desde então, vários países africanos manifestaram a intenção de experimentar o remédio e alguns, incluindo a Guiné-Bissau e a Guiné Equatorial, já receberam carregamentos da bebida.

A Organização Mundial de Saúde para África recomendou, na semana passada, que as novas terapias baseadas em farmacologia tradicional sejam submetidas a testes rigorosos antes de ensaios em grande escala.

“Os africanos merecem utilizar medicamentos testados de acordo com as normas aplicáveis aos medicamentos fabricados para pessoas no resto do mundo”, adiantou a organização em comunicado.

“Mesmo quando os tratamentos são derivados da natureza e de práticas tradicionais, é essencial estabelecer a sua eficácia e segurança através de ensaios clínicos rigorosos”, sublinhou.

Angola regista até à presente data 36 casos positivos de covid-19, dos quais dois resultaram em mortes e 11 pessoas se recuperaram.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 269 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

C/ Lusa

Deixe o seu comentário

Postagens recentes

Siga-nos

Assine a nossa newsletter

Digite seu endereço de e-mail para se inscrever neste site e receber notificações de novos posts por e-mail.

%d bloggers like this: