Segunda-feira, setembro 28, 2020

Como Mali acabou em um golpe

África – Como Mali acabou em um golpe

Há dias, os eventos no Mali estão no topo das notícias na África e no resto do mundo. Mas houve um grande acúmulo até o último.

Durante semanas, os manifestantes pediram a renúncia do presidente Ibrahim Boubaca Keita IBK, mas foi uma junta militar que finalmente o forçou a deixar o cargo.

Para a alegria de muitos malianos, o IBK na noite de 18 de agosto anunciou que estava deixando o poder.

Mas aqui está a história por trás das notícias que chegam de lá.

Uma coalizão de oposição conhecida como Movimento 5 de Junho e liderada pelo proeminente clérigo islâmico Mahmoud Dicko, vinha criticando o presidente Keita por meses após as eleições legislativas e locais de abril. Mahmoud Dicko pode ser descrito como um homem com um culto de seguidores.

Os milhares de malianos logo tomaram as ruas em protestos. Uma decisão do tribunal constitucional de anular alguns dos resultados eleitorais, que a oposição diz ter ajudado a manter os membros do partido governante de Keita no cargo, pode muito bem ter sido a gota d’água que quebrou as costas do camelo.

As manifestações iriam evoluir para uma rejeição total da administração de Keita e um pedido direto de sua renúncia.

Os problemas dos quais os malienses reclamaram eram claros.

Desde 2012, Mali tem lutado para conter uma rebelião jihadista que estourou na parte norte do país e se espalhou com ataques no centro de Mali. Milhares de civis e militares foram mortos no conflito.

A França, ex-potência colonial, enviou tropas. Sua operação Barkhane força com 5.000 soldados trabalhando para trazer estabilidade ao conflito jihadista na região do sahel como um todo.

O presidente Keita disse em fevereiro que os representantes do seu governo haviam feito contato com dois dos líderes extremistas do Mali, Amadou Koufa e Iyad Ag Ghaly. Mas os ataques continuaram inabaláveis. Freqüentemente, não era a questão de quando terminaria, mas de quando. O assunto tornou-se um dos principais problemas do país, – o conflito jihadista prolongado no norte.

Mas havia ainda mais problemas para a população. Corrupção, descontentamento com as eleições parlamentares de abril e pobreza.

A CEDEAO intervém para mediar.

Com a agitação implacável e o temor de que desestabilizasse ainda mais uma região que já lutava contra um aumento do extremismo, o bloco regional CEDEAO – a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental – deu um passo à frente com sérios esforços de mediação.

Ele pediu a formação de um governo de unidade, a renúncia de legisladores cujas eleições foram contestadas. Também houve demandas por uma nova eleição.

O gabinete do presidente Keita já havia renunciado e, em julho, um novo foi formado, supostamente com poucas mudanças para apaziguar a oposição. Mas parecia que nada que Keita faria poderia salvá-lo, já que as reuniões mediadas pela CEDEAO com ele e os membros seniores da oposição muitas vezes resultavam em becos sem saída.

O Exército atacou.

Enquanto esse processo estava ocorrendo, jovens soldados do exército do país estavam tendo seus planos. Eles tomaram o poder.

O golpe enviou ondas de choque ao redor da África Ocidental e da França, principal aliado do Mali e ex-líder colonial. Este foi mais um golpe. Na verdade, o segundo Mali viu em 8 anos.

O que vem a seguir agora para o Mali?

As negociações entre os enviados da CEDEAO e os novos governantes militares do Mali estão em andamento. Embora a CEDEAO em suas primeiras reações ao golpe tenha feito sanções contra o Mali e fechado suas fronteiras com o país, eles estão hoje tentando pressionar por um rápido retorno ao governo civil. Mas resta ver como isso acabaria. O presidente Keita foi libertado depois de ser apreendido por soldados durante o golpe. A sua libertação também liderada pela CEDEAO sob os auspícios do ex-presidente nigeriano Goodluck Jonathan.

Mas e agora para o Mali? O mundo observa para ver o desenrolar de eventos capazes de reposicionar o estado da África Ocidental para o crescimento e desenvolvimento ou um maior caos.

AN

Deixe o seu comentário

Postagens recentes

Siga-nos

Assine a nossa newsletter

Digite seu endereço de e-mail para se inscrever neste site e receber notificações de novos posts por e-mail.

%d bloggers like this: