PGR responde sobre paradeiro de 4 milhões de euros

Notícias de Angola – PGR responde sobre paradeiro de 4 milhões de euros

A procuradoria geral da Republica respondeu no passado dia 25 de Março, o pedido de esclarecimento do acadêmico Adriano Parreira endereçado aquela instituição procurando resposta sobre o paradeiro de 4 milhões de euros recuperados do BNA, que segundo a PGR, num comunicado de 30 de janeiro último, em resposta a uma denuncia “foram recuperados através de operações de pagamentos, processualmente documentados nos respectivos autos e recepcionados em contas bancarias do BNA nos termos e usos habituais”.

PGR responde sobre paradeiro de 4 milhões de euros
PGR responde sobre paradeiro de 4 milhões de euros

João Maria de Sousa, o Procurador Geral da República que se encontra ausente do país, orientou por telefone um quadro do seu gabinete, Gilberto Balanga Vunge para dar as devidas respostas ao qual aconselha o antigo diplomata angolano a solicitar, o que pretende junto das autoridades portuguesas.

“As informações que pretende, para que sejam fidedignas, deverá solicitá-las às autoridades portuguesas competentes onde tramita o processo relacionado com as transferências ilícitas ocorridas no BNA cujos beneficiários terão recebidos os valores em Portugal”, Le-se na carta da PGR, em resposta a Adriano Parreira acrescentando que “Depois de obter as informações das autoridades portuguesas, deve caso queira, solicitar dados sobre o assunto ao BNA, a fim de os comparar”

Segundo a PGR “se proceder conforme lhe vem sugerido, uma vez que se julga no direito de obter pessoalmente tais informações, garantirá a certeza de não ter sido enganado”.

Escandalizado com as respostas que lhe foram dadas, Adriano Parreira, reagiu três dias depois enviando uma replica a PGR de Angola que segundo ele, conforme, se pode ler na carta, “seria totalmente impertinente consultar as autoridades portuguesas, uma vez que o signatário não solicitou qualquer informação sobre o processo relacionado com as transferias ilícitas no BNA e cujos beneficiários terão recebido os valores em Portugal”.

“Vossa excelência, aconselha o signatário a solicitar dados sobre o assunto ao BNA. Embora, na verdade, o requerente já tenha solicitado resposta as mesmas questões em requerimento endereçado ao Senhor governador, datado de 15/03/2013, esse facto não pode, de forma alguma, autorizar o digníssimo Procurador Geral a furtar-se às suas responsabilidades e obrigações inerentes ao próprio cargo que exerce , e para o qual foi nomeado por sua excelência o Presidente da República, sendo o dever do Procurador Geral, atempadamente e de forma satisfatória, os esclarecimentos que solicitamos”, escreveu.

“O signatário vem uma vez mais, e muito respeitosamente, solicitar a Vossa excelência digníssimo Procurador Geral se digne informá-lo com verdade” solicitou o acadêmico, na carta cujo anexo o Club-K teve acesso.

Fonte: Club-k

0 Reviews

Write a Review