Anonymous invadem sites russos e declaram guerra informática | Informativo Angolano

Última Hora – Anonymous invadem sites russos e declaram guerra informática

Vários sites estatais russos continuam em baixo, mais 24 horas depois de uma declaração de guerra informática por parte do grupo de hackers ‘Anonymous’, que condenam a invasão da Rússia à Ucrânia.

“O coletivo ‘Anonymous’ está oficialmente em guerra informática contra a Rússia”, pode ler-se na página oficial na rede social Twitter deste grupo de hackers, em reação ao o início da invasão da Rússia à Ucrânia, na madrugada de quinta-feira.

Desde então, o coletivo tem atualizado o resultado dos ataques, divulgando logo na quinta-feira à tarde que vários ‘sites’ do governo da Rússia estavam inoperacionais.

Depois, revelaram a invasão ao ‘site’ de “propaganda” da emissora estatal russa RT e mais tarde, especificaram que o ‘site’ no Ministério da Defesa russo estava em baixo.

Ao início da noite de sexta-feira, o ‘Anonymous’ reportou que tinha invadido a base de dados do Ministério da Defesa da Rússia e que este ‘site’ estava inoperacional.

De resto, a emissora estatal russa RT revelou na sexta-feira ter sido alvo de “ataques massivos”.

Em comunicado, a RT apontou que os ataques às suas plataformas tiveram origem em cerca de 100 milhões de dispositivos, a maioria com base nos Estados Unidos, assegurando que estava a resolver os problemas.

Na sexta-feira o ‘site’ da emissora estatal parecia estar a funcionar normalmente, segundo noticiou a agência AP.

Este grupo de hackers, associado a iniciativas ativistas, tem denunciado a invasão russa e apelado à união pela Ucrânia.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos mais de 120 mortos, incluindo civis, e centenas de feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 100.000 deslocados no primeiro dia de combates.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa “desmilitarizar e desnazificar” o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo de seus “resultados” e “relevância”.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), União Europeia (UE) e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.

CM

Leave A Reply

Exit mobile version