Operação Resgate: Comandante geral da polícia nacional aponta organizações da sociedade civil como culpados pela paralisação

Operação Resgate: Comandante geral da polícia nacional aponta organizações da sociedade civil como culpados pela paralisação

Notícias de Angola – Operação Resgate: Comandante geral da polícia nacional aponta organizações da sociedade civil como culpados pela paralisação

O Informativo Angolano soube que,  Comandante Geral da Polícia Nacional, Comissário-geral Pulo de Almeida, culpabilizou algumas organizações da sociedade civil, de terem mobilizado uma campanha que forçou a paralisação da operação resgate.

Paulo de Almeida que falava durante uma formatura geral com efectivos de todos os ramos da corporação, anúnciou o regresso da operação resgate nos próximos dias.

Parao número um da polícia Nacional em Angola, é possível colocar ordem em diversas coisas que funcionavam à margem da lei, tal como a legalização de vários negócios, incluindo a venda ambulante de forma mais ordenada.

Almeida, frisou que os números da criminalidade baixaram consideravelmente na altura em que as acções dessa operação estavam em curso em todo o país, e criticou atitude de algumas organizações da sociedade civil, a quem acusa de terem mobilizado uma campanha para forçar a paragem das acções contidas nesta operação.

Reconheceu que houve erros e excessos por parte de alguns efectivos durante a realização da “Operação Resgate”, que resultaram em mortes e ferimento de cidadãos, sobretudo em Luanda.

“Todo o trabalho que envolve homens é passívelde surgimento de erros, falhas e excessos, mas não podemos parar com a ‘Operação Resgate’, porque não há ninguém que nunca tropeçou, mas a vida no pára”. Realçou.

Comandante, sublinhou a existência de efectivos indisciplinados dentro da corporação que vão ser afastados das actividades e sujeitos a sanções disciplinares, por condutas indecorosas.

Instado a referir-se acerca das condições sociais dos efectivos da Polícia Nacional, Paulo de Almeida disse que foi melhorado o salário de todos os membros da corporação, onde em seu entender a classe dos agentes foi a que mais beneficiou como forma de reconhecer os esforços feitos diariamente em prol da segurança dos cidadãos.

Nofinal da sua intervenção, o comissário-geral apelou aos cidadãos para também participarem da sua própria segurança, por não ser uma actividade exclusiva daquele órgão castrense.

Read Previous

Governador de Luanda exonera Conselho de Administração da Elisal

Read Next

JES deu Porto do Lobito a Kopelipa dias antes de deixar o poder

%d bloggers like this: