Jovem morto a tiro por suposto agente no bairro Hoji-ya-Henda

Notícias de Angola – Jovem morto a tiro por suposto agente no bairro Hoji-ya-Henda

O corpo de André Pedro, de 27 anos, atingido mortalmente, com dois tiros disparados na cabeça, na última sexta-feira, no Distrito Urbano do Hoji-ya-Henda, por um suposto agente da Polícia Nacional, foi hoje a enterrar no Cemitério da Camama, em Luanda.

O pai do malogrado, Lourenço Manuel, disse ao Jornal de Angola que o filho foi atingido com duas balas por volta das 23 horas de sexta-feira, quando, em companhia de dois amigos, iam à busca de um terceiro para, posteriormente, se dirigirem a uma festa que decorria nas imediações da Gráfica da Edições Novembro, no Cazenga.

Lourenço Manuel acusa os agentes da Polícia Nacional, adstritos à 7ª Esquadra, no município do Cazenga, de serem os autores da morte do filho e lembrou ter tomado conhecimento mi-nutos depois, através de dois amigos do malogrado com quem estavam naquela noite trágica.

Segundo Lourenço Manuel, o facto ocorreu quando dois agentes da Polícia Nacional mandaram parar a viatura em que seguiam o filho e os amigos, mas este decidiu não parar, o que fez com que os agentes disparassem cinco tiros contra os ocupantes, dos quais dois atingiram mortalmente o jovem André Pedro.

O pai da vítima lamenta o sucedido e acusa as autoridades policiais de encobrirem os dois supostos agentes acusados de terem praticado o crime, argumentando que não devem prestar contas à Justiça, mesmo depois do infausto acontecimento.

De acordo com familiares, na terça-feira, o comandante da 7ª Esquadra da Polícia Nacional do Cazenga deslocou-se a casa onde está o óbito e prometeu prestar ajuda à família, com meios financeiros e bens alimentares. André Pedro deixa viúva e três filhos menores.

Detido agente

O porta-voz do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da Delegação Provincial do Ministério do Interior em Luanda, intendente Mateus Rodrigues, disse que o agente que efectuou os disparos que vitimaram o jovem encontra-se detido e vai ser apresentado ao Ministério Público para legalização da detenção.

Mateus Rodrigues explicou que correm contra o agente dois processos, sendo um de crime e outro disciplinar instaurado pela Polícia Nacional. Referiu que no processo-crime, caso fique provado, o autor dos disparos pode vir a ser condenado junto do Tribunal Provincial de Luanda por homicídio simples.

Quanto ao processo disciplinar, onde o agente é acusado de inobservância do princípio da actuação policial, o intendente disse que pode incorrer numa sanção que vai desde a simples admoestação até mesmo à expulsão da corporação.

O jurista Domingos Betico considera pena de homicídio simples aquela em que a vítima não é submetida a outros maus-tratos antes de morrer e que, nestes casos, a moldura penal vai de 16 a 20 anos.

Read Previous

Detetado 169 funcionários fantasmas na comissão administrativa da cidade de Luanda

Read Next

Angola só beneficia de 20% do petróleo que produz”, diz ministro do petróleo

%d bloggers like this: